Estreia hoje, nos cinemas mundiais, O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, primeiro filme de mais uma trilogia baseada no livro homônimo de J.R.R. Tolkien. Quem dirige é o mesmo Peter Jackson que nos levou à Terra-Média há mais ou menos dez anos atrás quando adaptou ao cinema os livros da trilogia O Senhor dos Anéis. Jackson traz dessa vez uma aventura 2.0, com efeitos especiais mais polidos, o melhor 3D estereoscópico da atualidade e a promessa de uma revolução no cinema: o filme será rodado em 48fps. Mas porque esse formato traz toda essa revolução?

Para falar sobre frame rate [frequência de reprodução, em frames per second, ou quadros por segundo], primeiro precisamos falar sobre o mecanismo da visão, já que essa questão está diretamente interligada. Então, resumidamente: nós enxergamos porque a luz é captada por células específicas na retina, a imagem é formada, essas imagens saem pelo nervo ótico no fundo do olho, até à região occipital da cabeça. Mas quando as imagens são formadas lá na retina, ela permanece ainda por alguns mílissegundos na retina num efeito chamado de persistência retiniana. Esse é um dos fatores que faz com que enxerguemos movimentos. Essa frequência com que as imagens permanecem na retina é de, aproximadamente, 1/50 de segundo. Então, para exemplificar, suponha que estejamos olhando para uma luz que esteja piscando 20 vezes por segundo. Nós vamos enxergar as 20 “piscadas”. Se forem 30 ou 40 vezes, a mesma coisa. A partir do momento que chega a 50 vezes por segundo, começaremos a ver uma luz contínua, pois foi atingido o limiar da persistência por segundo.

É por esse motivo que foi estabelecido o frame rate de 24fps. Isso porque, na hora da exibição, cada frame do filme que está sendo projetado, é exibido 2 vezes, sendo portanto, 48fps projetados [24 frames diferentes], o que aproxima desse limiar de 1/50 de segundo. Isso explica o porque de, na época do cinema mudo, quando o frame rate era de 16fps [16 x 2 = 32], ter a impressão de que a luz fica sempre oscilando, uma vez que nós conseguimos identificar os pulsos individuais. Portando, quando o filme é exibido em 48fps [ou 96fps exibidos], a imagem parece mais com a realidade como enxergamos. Um filme exibido em 24fps tem muito mais borrões nas cenas com rápidos movimentos, algo que diminui bastante quando em 48fps. E aí acontece o que tem acontecido nas sessões teste de O Hobbit: inicialmente, o formato causa uma certa estranheza, pois não estamos acostumados a assistir filmes nesse formato. A sensação é de que estamos assistindo algo com uma nitídez impressionante, mas com cara de produção para a TV, tudo isso numa velocidade fora do que vemos nos filmes.

É aí também que está a revolução: o Peter Jackson decide filmar O Hobbit em 48fps [a idéia inicial era filmar em 60fps], e em 3D! A sensação de hiperrealidade nesse caso é imensa e pode proporcionar uma imersão nunca vista antes na história do cinema. Para os que assistiram e dizem que se assemelha às produções em video, eles tem um pouco de razão já que o frame rate para o video é um pouco maior [normalmente são feitas em 30fps]. Mas o que nós vamos perder com isso? Nós vamos perder a textura clássica do cinema, aquela que estamos acostumados a ver há um século. Mas é muito mais uma questão de hábito em assistir cinema e video do que de aceitação. Existem prós e contras quanto à manutenção dessa tecnologia, em geral quanto à diminuição de alguns custos e aumento de outros. Por outro lado, é, também, mais uma questão de software do que de hardware. Então, a revolução proposta e citada no início do parágrafo, é algo real e só o futuro dirá se ela terá vida útil no cinema. O importante é que o cinema tem encontrado maneiras de trazer o espectador de volta à sala de cinema fornecendo experiências que só podem ser apreciadas quando estamos diante da telona. Então, o importante é que O Hobbit estreia hoje em todo o Brasil. Você que está com passagem comprada para a Terra-Média, assista em 48fps e depois dê uma passadinha aqui pra nos contar como foi a experiência.

P.S.1: Se quiser ter uma noção de como ficou O Hobbit em 48fps, clique aqui.

P.S.2: O Omelete preparou uma lista bem legal das salas brasileiras que vão exibir o filme em 48fps.

Tags: , , , , , ,


Deixe um Comentario