Há cerca de seis anos atrás nós fechamos o nosso primeiro contrato para criação de uma ferramenta de educação à distância. Como fábrica de software, criamos uma ferramenta que permitisse ao nosso cliente oferecer conteúdo gratuito na internet (textos e vídeos), além de vender cursos on-line baseados em vídeo aulas.

Muitos conhecimentos foram adquiridos ao longo desses anos, parcerias foram construídas com o objetivo de atender cada vez melhor os clientes da área de educação e, pensando em consolidar toda a experiência que temos nessa área, criamos em dezembro de 2014 o Thinkr – a plataforma de educação à distância da Idealizza.

O Thinkr foi pensado para atender o mercado de educação à distância, permitindo a clientes de vários perfis oferecerem conteúdo através da internet de forma simples e escalável. Seja você um professor que deseja oferecer aulas diretamente aos seus alunos, uma empresa de cursos livres, escola técnica, faculdade ou até uma universidade.

 

Personalização:Nós sabemos que existem várias maneiras de promover o aprendizado, portanto, o Thinkr pode ser adaptado de acordo com as necessidades da sua metodologia, além da customização aliada a sua identidade visual e configurado em seu próprio domínio.

 

Dispositivos: o seu aluno poderá acessar a plataforma de através do computador, tablet ou celular. O Thinkr pode ser acessado de qualquer lugar, seu aluno precisará apenas de uma conexão à internet ativa.

 


Escala
:ultrapasse os limites da sala de aula. Ofereça conteúdo para alunos de todo o Brasil e conte com a infraestrutura do Thinkr para permitir o seu crescimento.

 

O Brasil mudou muito desde o primeiro envolvimento da Idealizza com educação à distância: o acesso à internet expandiu e houve uma melhoria considerável na qualidade de acesso. Em paralelo, as tecnologias para transmissão de vídeo evoluíram e a resistência aos cursos à distância por parte dos alunos é cada vez menor. A tendência é que esses fatores continuem a influenciar o crescimento do mercado, que proporciona conforto aos alunos para estudarem em horários flexíveis e livres dos problemas de descolamento existentes nas grandes cidades.

Entre para o time Thinkr e faça parte do grupo de mais de 30 empresas espalhadas pelo brasil que hoje oferecem cursos online para mais de 100.000 alunos.

 

 

 

Nos últimos dias estivemos pensando um pouco sobre o nosso passado, no que construímos e em tudo que mudou na Idealizza nesses quase sete anos de história. Como você deve estar imaginando, muita coisa mudou nesse período: nós crescemos muito, enfrentamos vários desafios, lançamos novos serviços e até criamos outras empresas.

Mais de 40 pessoas passaram pela nossa equipe, conquistamos clientes em outras cidades, outros estados do Nordeste e depois em todas as outras regiões do Brasil. Mudamos a nossa sede e também fomos finalistas estaduais no prêmio de competitividade de micro e pequenas empresas do Sebrae. Quanta coisa, não?

Certificado de finalista da Idealizza no MPE 2011Nós também criamos produtos voltados para educação à distância (falarei um pouco mais sobre o ThinKr no meu próximo post) e desenvolvemos projetos junto a empresas privadas e órgãos públicos nas áreas de desenvolvimento de sistemas, aplicativos mobile, criação de sites e consultoria na área de tecnologia.

Também tivemos projetos na área de inovação: várias ideias surgiram ao longo desse período em nossa equipe, vindas de parceiros ou de pessoas próximas. Essas ideias, por sua vez, se transformaram em sites, sistemas, produtos e uma delas virou uma empresa que irá completar três anos de existência: o TeeNOW.

Costumamos brincar, inclusive, que o TeeNOW é o irmão mais novo da Idealizza. Dentro em breve, eles terão a companhia de mais um irmão, que é uma surpresa que estamos preparando ainda para 2015.

Matéria sobre o TeeNOW no diário de pernambuco

São quase sete anos construindo projetos com clientes e parceiros, além de contribuir para o crescimento das pessoas da nossa equipe. A cada ano que passa a família Idealizza fica ainda maior e o nosso sentimento, mesmo passados quase setes anos, é que ainda é apenas o começo de uma longa história. Seja como cliente, parceiro ou integrante de nosso time, nós temos um espaço reservado para que você faça parte dessa história junto conosco.

Tudo começou em maio desse ano. Edward Snowden, um ex-analista de segurança da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos [CIA], fugiu para Honk Kong antes de revelar documentos sigilosos aos jornalistas. Esses documentos continham o vazamento de dados secretos do governo que revelaram detalhes do projeto de monitoramento global, denominado PRISM, que monitorou as conversas telefônicas e transmissões na internet de cidadãos dos EUA e de outros países. Após uma verdadeira novela envolvendo fugas, acusações e asilos políticos em países que não mantém relações diplomáticas com os EUA, Snowden agora chega com mais uma revelação bombástica: o Brasil foi alvo prioritário dos americanos na última década, tão monitorado quanto países como China, Rússia e Irã. Isso envolve tanto telefonemas como o tráfego de internet, seja de brasileiros, pessoas em trânsito no país, ou empresas instaladas aqui. O governo brasileiro cobra explicações dos EUA, e vai tomar várias medidas para coibir violações à privacidade como esta. Leia Mais

O dia chegou e, conforme anunciado há meses atrás, o Google Reader foi encerrado no dia 1ºde julho. A página agora exibe uma mensagem de despedida para quem tentar acessá-la. Os seus dados do Reader ficarão disponíveis até o dia 15 de julho – você pode baixá-los pelo Google Takeout. Depois disso, não existe chances de recuperar a sua lista de assinaturas. Como o blog oficial do Reader explica, “todos os dados de assinaturas vão ser permanentemente e irrevogavelmente deletados”. Agora não tem mais jeito: você vai precisar usar alguma das alternativas que foram criadas e melhoradas nos últimos meses.


Leia Mais

O Windows 8.1 já está disponível para download e é a aposta da Microsoft para reverter boa parte das críticas ao seu novo sistema operacional. A versão preview mostra bastante coisa do que está por vir na versão final. Mas, vale a pena baixá-lo? As mudanças valem à pena?

Se a intenção da Microsoft era agradar à primeira vista, a nova versão do sistema deixa a desejar. Para mudar o Preview, é necessário instalar uma atualização para o Windows 8 original e, em seguida, fazer o download do update na loja do sistema. No dia do lançamento, muitos foram os problemas de download. Mas, quem insistiu, enfim, conseguiu completar o processo. No geral, a aparência do Windows 8.1 continua a mesma, exceto por um detalhe: a volta do botão “Iniciar”. O ícone mais polêmico do novo sistema operacional retornou com interface minimalista, mas sem a sua funcionalidade clássica. Ao clicar no botão, é exibida a tela inicial do sistema, mas não o menu clássico do Windows 7 e anteriores. A tela Iniciar trouxe pequenas mudanças, mas grande ganho em personalização. A partir de agora, as Tiles de programas que não possuem a interface Metro serão coloridas a partir da cor predominante do ícone. Além disso, há quatro novos tamanhos: pequeno, médio, largo e grande. A mudança aproxima a experiência do sistema convencional à do Windows Phone 8, grande sacada da Microsoft.

Já no fundo da tela, é possível escolher entre novas opções de temas, alguns animados, e personalizar a cor de fundo e a de destaque. Outra opção é exibir o papel de parede da Área de Trabalho. O menu “Todos os Aplicativos” pode ser acessado a partir de uma seta para baixo, localizada na parte inferior da tela. Antes, era preciso clicar com o botão direito e, em seguida, clicar em outro ícone. Outra grande sacada da Microsoft é oferecer mais liberdade na divisão entre dois aplicativos abertos na tela. Com o Windows 8.1 ficou bem mais fácil, por exemplo, digitar um documento de texto na Área de Trabalho enquanto se verifica os e-mails ou gerenciar a reprodução de músicas durante a navegação na Web. A interface Desktop é praticamente a mesma. A barra de tarefas ganhou, além do menu “Iniciar”, um pouco mais de transparência. Já no Windows Explorer, as pastas “Imagens”, “Documentos”, “Músicas” e “Vídeos” agora aparecem dentro da guia “Este computador”.

O Windows 8.1 chegou com a promessa de reformulação de alguns programas criticados na versão original do sistema. O primeiro a sofrer grandes mudanças é a Windows Store. A nova loja virtual está mais amigável, com destaques animados e listas de aplicativos semelhantes à da Google Play e App Store: sugeridos, mais populares, novas versões, melhores pagos e gratuitos. Ao clicar com o botão direito, todas as categorias clássicas são exibidas. Um ótimo trabalho da Microsoft. Outro aplicativo bastante aguardado é o Internet Explorer 11 Preview, que na sua interface Metro recebeu mudanças bastante interessantes. A primeira delas é que, ao clicar com o botão direito, as abas abertas serão exibidas na parte inferior da tela, junto com a barra de endereço. O programa também ganhou um gerenciador de downloads mais completo e, finalmente, um botão de salvar favoritos. No quesito velocidade, houve uma leve melhora, mas nada surpreendente.

A nova ferramenta de pesquisa do Bing pode dar dor cabeça para o Google no futuro. A integração do buscador da Microsoft com o novo sistema oferece ao usuário uma experiência rápida e satisfatória. Para pesquisar, basta clicar no ícone de lupa da Charm Bar e digitar o que você procura. Os resultados são organizados em fotos, vídeos, notícias e páginas da Web. O recurso é interessante, mas uma otimização da interface seria bem-vinda.


O Windows 8.1 Preview traz um pouco poder de fogo que faltava ao sistema lançado em 2012 e indica o que a Microsoft pode guardar para a versão final do update. No geral, o sistema mantém o bom funcionamento em desktops e notebook, mas promete mesmo se destacar nos tablets e brigar com Android e iOS. Curiosamente, o logo do Windows da tela de inicialização foi substituído por um peixinho. Resta aguardar para ver se a versão 8.1 trará marés mansas para a Microsoft ou afundará, de vez, as chances do novo sistema.

Fonte: Techtudo

A Apple trouxe muita coisa nova na WWDC 2013, seu principal evento de lançamento, exclusivo para desenvolvedores. Além do já aguardado iOS 7, ela também mostrou o novo sistema operacional, novos MacBook Air, um já criticado Mac Pro e mais algumas coisas. Mas vamos pelo começo.

Como esperado, o iOS 7 ganhou uma bela reformulada. Tim Cook disse, no início da parte sobre o iOS 7, que essa foi a maior chance que a Apple já teve de mudar profundamente o sistema. E parece que eles foram fundo mesmo: mudou tudo, inclusive elementos básicos e marcantes da interface como o deslizar para desbloquear, agora de baixo para cima e a tipografia, totalmente alternada. Adequando-se ao já tradicional [em outros sistemas operacionais para gadgets] visual flat, o iOS7 fez uma reforma geral no sistema também. Ele ganhou gestos: passando o dedo da esquerda para a direita, o usuário volta ao app anterior. De baixo para cima, abre a Central de Controle — vários botões de acesso rápido e controles do sistema. Leia Mais

Depois de muito mistério e de muita especulação, a Microsoft finalmente mostrou ao mundo seu console da nova geração. Tentando não ficar atrás da concorrente Sony, a empresa de Bill Gates anunciou o Xbox One [nada de 720 ou Durango], um console reformulado, a altura do novo PS4, porém que dividiu opiniões, tanto no lado da originalidade e do desempenho dos console [além das limitações], como no lado dos games e engines, já que poucos jogos foram mostrados no dia da apresentação, que teve seu foco no desempenho do Xbox. A promessa é que o novo brinquedinho se torne uma central de entretenimento ‘all-in-one’, como anunciado. Vejamos as principais funcionalidades do aparelhinho.

8 anos após ser lançado, o Xbox 360 realmente precisava de um belo update de hardware. E foi o que veio: CPU octa-core, 8GB de memória RAM, HDD de 500GB, drive de Blu-ray, Wi-Fi direct, HDMI e USB 3.0. Ou seja, praticamente idêntico ao hardware do novo PS4, o que deixa mais acirrada ainda a disputa pelo melhor console do mercado. Apesar disso, a Microsoft anunciou que o Xbox One tem possui uma nova arquitetura que facilita na hora da mudança entre apps e de conteúdo com bastante facilidade. Ele quer simplificar a sua sala de estar como um aparelho de entretenimento “All-in-One”. O Kinect 2 será vendido junto com o novo console e o controle de voz ganhou bastante destaque. Você fala “Xbox, On” e ele liga – não só isso, também detecta quem pediu para ligar e vai direto para o perfil da pessoa. Com o console ligado, tudo pode ser feito com comandos de voz novamente. Não apenas navegar pelas janelas da dashboard (que lembra bastante a do Xbox 360), como para outras coisas. Diga “Xbox, watch TV” e ele muda para a TV ao vivo. Você pode brincar: abrir o Internet Explorer, ouvir música, assistir filmes, voltar para a TV, para algum jogo. Em resumo, o Xbox One é bem mais poderoso que o Xbox 360. E a Microsoft fez questão de deixar isso bem claro.

O Kinect foi “completamente redesenhado” para responder melhor aos seus comandos de voz, e foi feito para funcionar mais como uma conversa. Ele tem um novo sensor 1080p e captura vídeos a 60fps e detecção refinada. Ele consegue rastrear quando você mexe o pulso, e consegue até ler seus batimentos cardíacos enquanto você se exercita. Já o controle ganhou um novo design e vários novos recursos. Nada de um touchpad, como no PS4, muito menos uma tela no meio dele, como no Wii U. Em vez de adicionar coisas, a Microsoft preferiu aperfeiçoar o que já tinha: os gatilhos recebem feedback, o direcional foi completamente refeito e os botões de ‘star’ e ‘back’ do controle foram substituídos por um botão de acesso ao menu e outro para troca de aplicativos simultaneamente.

As maiores dúvida em relação ao novo console continuam sendo a sua suposta conexão obrigatória e o seu bloqueio a jogos usados. E esse é o grande problema. Don Mattrick, Presidente de Entretenimento Interativo da Microsoft, confirmou que o sistema “always online” não passava de um rumor: “O Xbox One não precisa estar sempre conectado. Criamos o consoles para que você possa jogar e assistir a filmes de Blu-ray ou TV mesmo que você perca a sua conexão com a internet”. Tudo certo até aqui. Mas aí a vice-presidente da Microsoft, Phil Harrison, informou que o console precisará de conexão ao menos uma vez ao dia. E para os usuários da Xbox Live, o problema aumenta: a conexão é quase permanente caso queira ter uma experiência completa. Compreensível até certo ponto.

Quanto aos jogos usados, aí a situação fica um pouco mais embaçada. Assim como a Sony, a Microsoft está sendo muito vaga com relação a isso. Por enquanto, a única resposta oficial é: “Estamos desenvolvendo o Xbox One para permitir que consumidores possam trocar e revender seus jogos usados. Teremos mais detalhes sobre o assunto em breve.” Dada a natureza do console em instalar todos os jogos no seu HD, a The Verge e a Wired acreditam que haverá algum tipo de licença digitial que você deve comprar para rodar um game usado. Por enquanto, ficamos apenas na especulação.

Por fim, a Microsoft prometeu trazer nada menos do que 15 títulos exclusivos para o Xbox One somente em seu primeiro ano de lançamento. O mais impressionante é que, deste total, oito deles são séries inéditas, o que torna tudo ainda mais interessante. Ao mesmo tempo, podemos esperar o retorno de mais sete franquias da Microsoft — incluindo uma “série histórica” da Rare. Ninguém sabe ao certo o que esperar, exceto que as respostas aparecerão na conferência da companhia na E3, o que acontece no próximo dia 10 de junho. E quando será lançado? A Microsoft só informou que ainda esse ano, provavelmente em novembro. Agora é cruzar os dedos para que as novidades sejam benéficas e que o console possa ser realmente inovador como promete e não mais um fiasco como alguns dos últimos produtos lançados pela empresa do Sr. Gates.

-

Fonte: Gizmodo/Kotaku/Tecmundo

Nosso diferencial é trazer novas ideias para a sua empresa.

Nós aqui da Idealizza, estudamos e entendemos o seu negócio e, a partir daí, sugerimos a adoção de tecnologias e ideias que possam simplificar a execução das atividades, de forma rápida e com qualidade. Mais que fornecedores, somos parceiros dos nossos clientes. Afinal, quando pensamos em novas soluções, tratamos o problema como sendo nosso.

Esta é a maneira que encontramos para conseguir as melhores ideias e desenvolver as melhores soluções.

E fazer parte do nosso time, traz ainda muitas outras vantagens. Veja aqui algumas das Parcerias com Instituições de Ensino que a Idealizza possui:

Estácio/FIR

- 25% de desconto na Graduação

- 20% de desconto na pós-graduação

Esuda

- 30% de desconto na Graduação

- 20% de desconto na Graduação

Faculdade Nova Roma

- 10% de desconto em MBA Executivo

- 10% de desconto na pós-graduação em Administração de Empresas e no Pós-MBA

- 40% de desconto na Graduação

- 30% de desconto nos cursos de curta duração [CADEMP]

Fafire

- 15% de desconto na Graduação

- 20% de desconto na pós-graduação

Joaquim Nabuco

- 10% de desconto 

Maurício de Nassau

- 15% de desconto

Se você deseja juntar-se a nós, envie um email [ou o seu perfil do LinkeIn] para o endereço oportunidades@idealizza.com.br.

Após oito meses utilizando um modelo inovador de vendas baseado em lançamentos diários, o TeeNOW chega para chacoalhar novamente o mercado de artes brasileiro com novidades muito bem vindas para os clientes e para os ilustradores. E essa é só o primeiro dos updates que ainda estão programados para ocorrer.   

A primeira mudança desta atualização no TeeNOW, tem a ver com os temas. Dos 5 temas [Tech/Geek, Futebol, Games, Carros e Elas], dois mudaram e se tornaram mais abrangentes: Futebol agora se tornou Esportes, e o tema Elas virou FreeDesign, ambos de forma a abranger muito mais seus universos. Leia Mais